Menu Páginas
Warning: Illegal string offset 'twitter' in /wordpress/www/cpbeducacional_wp/wp-content/themes/Lucid/header.php on line 66

Warning: Illegal string offset 'rss' in /wordpress/www/cpbeducacional_wp/wp-content/themes/Lucid/header.php on line 67

Warning: Illegal string offset 'facebook' in /wordpress/www/cpbeducacional_wp/wp-content/themes/Lucid/header.php on line 68

Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /wordpress/www/cpbeducacional_wp/wp-content/themes/Lucid/header.php on line 72
Menu Categorias

Postado por em jul 2, 2016 em Extra |

Respire fundo

Respire fundo

O ambiente está poluído, mas respirar ar puro continua sendo vital para ter saúde.

Um dos maiores problemas da civilização moderna é a poluição atmosférica. Dados recentes da Organização Mundial de Saúde informam que todos os anos morrem sete milhões de pessoas no mundo, devido à poluição do ar. Significa dizer que uma a cada oito mortes registradas no planeta se deve a problemas com o ar que respiramos, dentro e fora de nossas casas. Queimadas, fumaça de cigarros, pesticidas, descargas de motocicletas e automóveis, lixo industrial e doméstico estão entre os fatores que contaminam o ar que respiramos.

O ar contém aproximadamente 20% de oxigênio, sendo o restante nitrogênio e outros gases. Uma vez que o corpo humano funciona com oxigênio, cada uma das células precisa receber um suprimento constante e renovado desse elemento, ou então morre.

Diariamente, passam pelos pulmões de uma pessoa 12 m3 de ar, que entra no aparelho respiratório, atinge os alvéolos pulmonares, irrigando uma área superior a 70 m2. O problema é que o mesmo ar que transporta o oxigênio vital também pode levar outros gases menos saudáveis, além de partículas que atingem os alvéolos e outras regiões onde produzem irritação.

Geralmente, a poluição do ar atua como fator coadjuvante na doença de uma pessoa, pois agrava o quadro já existente. Pessoas com doenças respiratórias e cardiovasculares são as mais suscetíveis à poluição atmosférica.

 

Precisamos respirar

A despeito da poluição do ar, precisamos respirar. Uma pessoa em trabalho sedentário necessita de 300 litros de ar e se estiver fazendo um trabalho físico intenso, vai precisar de 600 litros. Por isso é importante passar o maior tempo possível em contato com a natureza e nas zonas rurais, onde o ar é mais limpo.

Segundo o Dr. Ernst Schneider, médico e autor do livro A Cura e a Saúde pela Natureza, quando respiramos com regularidade, calma e profundidade, além de irrigar o cérebro, o ar chega a todas as partes dos pulmões, fazendo com que o sangue também circule adequadamente por elas. Há também, diz o médico, um aumento da resistência local a infecções das vias respiratórias (laringe, traqueia e brônquios); as mucosidades retidas nas vias respiratórias se mobilizam e saem mediante a expectoração ou tosse; aumenta a resistência às infecções; melhora o rendimento intelectual e reduz a irritabilidade.

  • Elimine a fumaça dentro de ambientes fechados.
  • Limpe regularmente os dutos de ar e os filtros dos aparelhos de ar condicionado.
  • Areje sua casa, abrindo portas e janelas pelo menos uma vez por dia.
  • Em dias nublados e cheios de fumaça, faça isso à noite ou logo pela manhã.
  • Se possível, durma com uma janela aberta para ventilar o quarto.
  • Use purificadores de ar com moderação.
  • Não deixe o carro ligado numa garagem contígua à casa ou próximo a uma janela aberta.
  • Faça exercícios físicos aeróbicos (correr, nadar, andar de bicicleta, caminhada vigorosa).
  • Conserve o motor do seu automóvel regulado e, se possível, deixe-o em casa algumas vezes e vá a pé para o trabalho.
  • Beba água, pelo menos seis copos ao dia.
  • Mantenha a pele limpa e hidratada.
  • Lave os cabelos com frequência.
  • Não jogue lixo nem detritos a céu aberto.
  • Ao estabelecer residência, procure lugares com melhor qualidade de ar.
  • Habitue-se a passar fins de semana e feriados longos fora da cidade.
  • Respire o ar puro do campo.
  • Não se exercite em locais de tráfego automobilístico intenso.

 

Fonte: Revista Vida e Saúde – Julho de 2014.